Atividades semanais – Do 18 ao 24 de Março de 2019

19 de Março de 2019
MARÇO  2019
20
quarta-feira

Projeçom do Cineclube

Ás 21.30

caida

Estela
(Ariadna Cordal, Galiza, 2017, 3′, VO)
Muller personaxe
(Lucía Estévez, Galiza, 2018, 9′, VO)
A Typical Morning
(Arancha A. Brandón, Galiza, 2018, 7′, VO)
O que precede a caída é branco
(Aldara Pagán, Galiza, 2018, 8′, VO)
The Widow
(Noelia M. Muíño, Galiza, 2018, 9′, VO)
Metralla
(Noemi Parga, Galiza, 2017, 11′, VO)
16-11-2016/13-5-2017
(Marta Valverde, Galiza, 2017, 17′, VO)
Os Remedios
(Sara Iglesias / Ada Seoane / Laura LaMontagne / Patricia López / David Rodríguez, Galiza, 2018, 3′, VO)

 

 

MARÇO  2019
21
quinta-feira

O género da tradiçom “Os fios invisíveis”

Ás 21.30

 

 

 

 

 

455018361_184828Desde a Comissom de Cultura organizamos estas jornadas sobre Património Imaterial e Género para tomar a história pola mao, tecer fios invisíveis e revisar juntas os estereotipos sexistas que nom queremos na nossa cultura.
- 14 março às 2oh: “A História pola mao: oralidade, criaçom e afeitos” com Faia Díaz
- 21 março às 20h: “Os fios invisíbeis: o papel da mulher na música de tradiçom oral da Galiza” com Xulia Feixoo.
- 4 de abril às 20h: “Andar cos tempos: um convite a rever o baile tradicional com perspectiva de género” com Carme Campo e Chus Caramés.

MARÇO 2019
22-23
sexta-feira e sábado

Jornadas gerrilheiras “Resistência armada antifascista na Galiza”

Ás 22.00

guerri

Sexta-feira, 22 de Março de 2019
18:30 Inauguraçom de cartazes de memória histórica realizados pola comissom de História da Gentalha do Pichel
→19:00 O tecido associativo na memória histórica local (AC Afonso Eanes, SHC Coluna Sanfins e Gentalha do Pichel)
→20:30 – 21:30 Apresentaçom do livro ‘O exército de fume’, de Manuel Gago
Sábado, 23 de Março de 2019
→18:30 Apresentaçom do novo cartaz da Série preta de Galiza nom esquece
→19:00 – 21:00 Palestra com Zéltia Rodrigues, Montserrat Golias e Pim Patinho

ççççç

MARÇO 2019
22
sexta-feira

Última estalotada do curso!

Ás 22.00

estalotada2_1819ççççç

MARÇO 2019
23
sábado

Concerto de Pauliña

Às 21.00

paulinha

Festa do 17… que se fai o 17!

12 de Março de 2019

Um ano mais andamos argalhando a festa das nossas letras, a festa do 17 que, após 15 anos… fai-se o 17!!18447464_1906153319655060_5087467877444858641_n

Ante tal acontecimento, se quigerdes botar umha maozinha e/ou fornecer ideias sodes bem-vindas!

 

Vemo-nos quartas às 21:15 no CS  Pichel!

VI Jornadas de Análise para o Ensino Popular: A herdança negada

6 de Março de 2019

photo5767227689764237604

 

A HERDANÇA NEGADA
experiências e desafios na transmissom familiar da língua

SEXTA 5 ABRIL

18h00

Trauma psicossocial em contextos de perda de língua e terror de Estado. A funçom reparadora do galego

Marcos Abalde

19h15

pausa para café

Ler mais »

III Eclosom. Bandas participantes e votaçom popular

4 de Março de 2019

Temos o prazer de apresentar-vos os quatro grupos que participam do III Eclosom, o certame das músicas emergentes do Pichel. A partir de já fica aberto o período de votaçom, que se estenderá até o 31 de Março às 23h59.

Teredes que votar em dous grupos, e será preciso possuir umha conta de gmail para poder acceder ao formulário.

Os três grupos que obtenham mais votos passaram à gala final.

A gala final terá lugar o 13 de Abril, no nosso centro social, e o grupo ganhador levará um premio de 300€, a atuaçom na festa do dezassete que este ano se fai o 17 e o uso de balde durante um ano do nosso local de ensaio.

Os grupos:

  • Flow do toxo (ver)
  • Nós (ver)
  • Kanitroters (ver)
  • Lagháchema (ver)

Neste bandcamp podedes escuitar os dous temas que apresentou cada grupo

E por fim, o formulário de votaçom:

https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLScGm4oATfQC1LWRfD0v2FGMaatzEZgr6ezjEyyRyzysI2prXQ/viewform

A Gentalha do Pichel ante o 8 de março

1 de Março de 2019

A Gentalha do Pichel, como entidade comprometida com os direitos das mulheres, fai um chamamento a todas as suas sócias a participar da mobilizaçom nacional e secundar a greve de mulheres do dia 8 de março:
> A mobilizaçom nacional será o domingo 3 de março em Lugo às 12:00h. Haverá autocarros saíndo de diversos pontos do país (http://galegas8m.gal/transporte-a-lugo/). No Centro Social há à venda bonos- transporte e bonos-ajuda para a Assembleiphoto6034965101909487662a Galegas 8M.
No próprio dia 8 de março há convocadas mobilizaçons en varias vilas e cidades do país que se podem consultar na web: http://galegas8m.gal/convocatorias/8m-2019/
> Greve de mulheres de 24 horas no ámbito laboral, estudantil, de consumo e de coidados. Durante o dia de greve o centro social estará disponível como ponto de reuniom, encontro ou antirrepressivo (mas o balcom estará fechado).
Para ler o manifesto e protocolos de actuaçom durante as mobilizaçons apelamos à Assembleia Galegas 8M.
Avante com a luita das mulheres, vemo-nos nas ruas!!

cozido de entruido

25 de Fevereiro de 2019

celebramos o entruido com um cozido e umha festa de disfarces. Será o sábado 2 de março às 14h00. 13€/15€ nom associadas. Reservar antes da quinta 28 mandando um mail a gentalha@gentalha.org ou no próprio centro social.

455216725_149389 festa entruido

Atividades semanais – Do 18 ao 24 de Fevereiro

19 de Fevereiro de 2019
FEVEREIRO 2019
20
quarta-feira

Projeçom do Cineclube

Ás 21.30

he-stands-in-the-desert-counting-the-seconds-of-his-life-e1550158899432

El está en pé nun deserto a contar os segundos da súa vida
(He Stands in a Desert Counting the Seconds of His Life, Jonas Mekas, EUA, 1986, 149′, VOSG

 

 

FEVEREIRO 2019
21
quinta-feira

Jornada de trabalho para pintar o local de ensaio

Ás 16.30

 

 

 

 

 

jornadat

FEVEREIRO 2019
22
sexta-feira

Convergências Portugal-Galiza

Ás 22.00

coverX

FEVEREIRO 2019
23
sábado

Milonga do Pichel

Às 20.00

milongaaa

O GÉNERO DA TRADIÇOM

19 de Fevereiro de 2019

Desde a Comissom de Cultura organizamos estas jornadas sobre Património Imaterial e Género para tomar a história pola mao, tecer fios invisíveis e revisar juntas os estereotipos sexistas que nom queremos na nossa cultura.
- 14 março às 2oh: “A História pola mao: oralidade, criaçom e afeitos” com Faia Díaz
- 21 março às 20h: “Os fios invisíbeis: o papel da mulher na música de tradiçom oral da Galiza” com Xulia Feixoo.
- 4 de abril às 20h: “Andar cos tempos: um convite a rever o baile tradicional com perspectiva de género” com Carme Campo e Chus Caramés.

455018361_184828Imagem do cartaz: Sabela Iglesias.

 

Conflitos ambientais na comarca de Compostela

5 de Fevereiro de 2019

conflitos ambientais

Pola Candelória… coplas do bom querer!

31 de Janeiro de 2019

POLA CANDELÓRIA…COPLAS DO BOM-QUERER!

É sabido que no 2 de fevereiro, o dia da 51074248_2263751287228593_5879640491116462080_oCandelória, médio inverno vai fora. Assi lémbrano-lo o refraneiro popular que com ditos como “Pola Candelaria casam os passarinhos e vai-se a galinhola”, ou “de Candelória em diante, ningumha ave voa soa”, reafirmam já os primeiros grumos da primavera e com ela, o triunfo da luz e do amor da mam da senhora da Luz, como é chamada a Candelória no norte de Portugal.

Muito se tem escrito, cantado e falado sobre o amor, e em muitas destas mensagens arraigou-se a crença de “quem bem te quere, fará-te sofrer”. O amor e a dor som cousas muito diferentes. Um relacionamento baseado na reciprocidade nom terá nunca na sua composiçom um aditivo tóxico nem venenoso.

Nom somos seres perfeitos e a nossa forma de querer também nom o é.

O amor nom é incondicional, ou nom deveria sê-lo: se nom há condiçons para amar, se amar doe, se nom nos tratam bem.. entom nom é possível construir umha relaçom amorosa. O amor autentico é terreal e precisa condiçons, quer limites e fronteiras que salvaguardar, quer espaços privados que respeitar e harmonias que manter en adequado equilíbrio.

O amor é umha forma de relacionar-nos com o mundo, por isso nom pode fechar-se num só relacionamento, nom podemos exigir a ninguém que alivie egoístas soidades nem cobra toda a nossa necessidade de afeto. Aprender a amar desde a liberdade, nom desde a necessidade.

Um amor que nom custa penas, um amor que vale as alegrias.

A nossa forma de amar é patriarcal, cada cultura constrói a sua estrutura emocional e os seus patrons de relacionamento desde umha ideologia concreta, por isso a nossa forma de amar é patriarcal e capitalista.

O patriarcado segue vivo nos nossos coraçons e tem umha boa saúde.  O “milagre” romântico ilha-nos das demais pessoas, mantém-nos enganchadas a umha utopia individualista e ilhadas de qualquer utopia social. Para o patriarcado nom há nada mais perigoso do que as mulheres unidas, alegres e empoderadas. Por isso é tam importante falar em termos políticos das nossas emoçons e relacionamentos.

Está é a revoluçom amorosa que se está a fazer desde os feminismos, umha revoluçom sexual, afetiva e de cuidados.  Esta revoluçom quere rachar com as luitas contra as mulheres, entre as mulheres e contra nós mesmas: aprender a querer-nos bem para poder amar às demais pessoas.

O verdadereiramente revolucionário será o dia que o amor rache a barreira do duo e poda expandir-se para cambiar toda a nossa forma de organizar-nos e relacionar-nos.

O  romântico é político, e é por isso que desde a Comissom de Cultura da Gentalha do Pichel, queremos resgatar aquelas coplas da nossa tradiçom oral transmitidas de geraçom em geraçom que falam do bem-querer, do amor como ferramenta maravilhosa para a transformaçom individual e coletiva, associadas a estes passarinhos que, com a chegada da senhora da luz começaram a anunciar a primavera com os seus chios.

 

[O preço é de 1postal/1€ - - - - 8postais/5€]
[Podedes consegui-los no Pichel]