A Gentalha soma-se às alegaçons da declaraçom BIC do baile tradicional

23 de Julho de 2018

37715278_2138316683105388_7881180287109955584_n

O baile e a música tradicional som tesouros do nosso PCI transmitidos de geraçom em geraçom, onde cada umha foi mantendo o que considerava válido, descartando o que nom lhe servia e achegando aquelo que botava em falta. Assi foi ate a atualidade, amosando como o baile é parte da nossa cultura viva.

Parabenizamo-nos porque ha umha iniciativa que pretende declarar BIC o baile tradicional mas consideramos que o texto original esquece a parte fundamental do baile e que para nós o fai vivo, atual e garante o seu futuro como umha parte viva da nossa cultura: a sua espontaneidade. Desde a nossa opinom, o texto relega-o á escenificaçom e á reproduçom dumha foto fija e sesgada do passado.

Aliás no texto perpetuam-se os estereotipos sexistas que desde a Gentalha levamos tempo tentando desfazer. Defendemos que para que o baile tradicional siga vivo nom é necesário que um género prevaleza sobre o outro, e é a própria UNESCO quem determina que um bem patrimonial nom poderá ser declarado como tal se nom garante a igualdade entre as pessoas.

Por estes e mais motivos, somamo-nos às alegaçons que se estam a apresentar pois cremos que um bem colectivo deve salvagardar-se coletivamente, e é por isso que vos animamos a apresentar todas aquelas alegaçons que, consideredes, construam arredor do baile como elemento vivo, espontáneo, igualitario e de todas nós.

O praço remata nesta quinta feira 26 ás 14h. Se tedes interesse, podedes contactar-nos por privado e explicaremos-vos as nossas alegaçons

Universidade Popular 2018! Do 16 ao 20 de Julho.

3 de Julho de 2018

Mais um verao chega a Universidade Popular! Fuxe das praias massificadas e vem, do 16 ao 20 de Julho, o centro social O Pichel, pois encherá-se de gente a partilhar saberes e experiências. Se queres participar em cursos de ecologia, género, línguas, gastronomia, dança, tecnologia, música, etc. é IMPORTANTE reservares praça até um dia antes de cada curso (antes das 16h) em gentalha@gentalha.org

  • Preço por curso: 3€ (3’5€ nom sócia)
  • Abono todos os cursos: 8€ (10€ nom sócias)
  • Preço solidário: 5€ por curso / 15€ por abono.

INSCRIÇOM OBRIGATÓRIA em gentalha@gentalha.org até um dia antes do curso (antes das 16h).

Embaixo tes os graus e o calendário dos cursos com a informaçom de cada um. Bota umha olhada e inscreve-te!

439638849_279134

ESPECIALIZA-TE NOS GRAUS:

COM OS PÉS ou O MOVIMENTO

  • A muinheira trilha bem. Carme Iglesias. 2ª Feira 16. De 20h a 21h30.
  • Para bailar o maneo vivam @s da beiramar. Ramón do Serrador. 3ª Feria 17. De 19h30 a 21h.
  • Laboratório de movimento. Elsa Pereira. 3ª Feira 17. De 21h15 a 22h15.
  • Jogos bailados para famílias. Fuen Nieto. 4ª Feira 18. De 12h a 13h.
  • Arqueologia sobre rodas . Dio Cancela. 4ª Feira 18. De 17h a 20h.
  • Entra no baile a bailar(e). Iniciaçom às foliadas. Chus Caramés. 4ªFeira 18. De 19h30 a 20h30.
  • Aula de ioga  enfocada na pélvis. Alberto Ferreiro. 5ªFeira 19. De 16h30 a 18h.
  • Compostela Femme. Destapando a cidade jacobeia em clave de gênero. Desirée Vidal. 5ªFeira 19. De 20h a 21h30.

 

COM AS MAOS

  • DecoLixo. Luzia Jurjo. 2ªFeira 16. De 20h a 21h.
  • Primeiros auxílios na foliada. Ainhoa Martínez. 3ªFeira 17. De 17h a 18h.
  • Rumba moderna para pandeireta. Aitana Cuétara. 3ªFeira 17. De 18h a 19h30.
  • Bombo: noçons básicas para acompanhar música tradicional. Ana G. Lenza. 4ªFeira 18. De 17h45 a 19h15.
  • Tarranholas- Músicas de Bolso com instrumentos miúdos. Ariel Ninas. 4ªFeira 18. De 20h30 a 21h30.
  • Três massagens doadas. Richi Casás. 5ªFeira 19. De 18h a 20h.

 

COM A LÍNGUA

  • México lindo e saborido! Cozinhar tacos para torpes. Snob. 2ªFeira 16. De 20h30 a 22h.
  • Nutriçom vegana para principiantes. (Curso teórico). Sabela Pena. 3ªFeira 17. De 17h a 18h.
  • Cozinha com Língua “portuguesa”. Bea Peres. 3ªFeira 17. De 19h30 a 21h.
  • Cozinha com Língua “inglesa”. Afonso Barata. 4ªFeira 18. De 18h a 19h30.
  • Cozinha com Língua “francesa”. Maritxinha. 4ªFeira 18. De 20h a 21h.
  • Gaélico práctico para visitantes da Gz. Lucía Atencia. 5ªFeira 19. De 18h30 a 19h30.

 

COM SENTIDINHO

  • Dançar o bom trato, enraizar a nossa auto-estima. Mari Fidalgo. 2ªFeira 16. De 18h a 20h.
  • Regueifa feminista. Regueifar hoje. Sara Porrit e Alba María. 2ªFeira 16. De 18h30 a 20h.
  • Aula de Antropologia Aplicada. Experiências de intervenção social com a comunidade migrante de Cabo Verde na Marinha. Luzia Oca. 2ªFeira 16. De 20h a 21h30.
  • Apozemas biológicas para a horta. Marieta Pastoriza. 3ªFeira 17. De 18h a 19h30.
  • Além do mito. Julia Marín. 3ªFeira 17. De 19h30 a 21h.
  • Umhas pequenas dicas para fazer assembleias inclusivas. Raquel L. Fernández. 5ªFeira 19. De 19h a 21h.
  • Limpando tóxicos do fogar. Vero Torrijos. 5ªFeira 19. De 20h a 21h30.
  • “Turismofobia” ou direito à cidade? Iago Lestegás. 5ªFeira 19. De 21h a 22h.
  • Cuidando de nós com cosméticos naturais. Vero Torrijos. 6ªFeira 20. De 20h a 21h30.
  • Baile como empoderamento. Sara Idris. 6ªFeira 20. De 20h a 21h30.

 

COM FERRAMENTAS

  • As mulheres galegas na História e na Wikipédia. Jesús Rivera. 2ªFeira 16. De 17h a 18h30.
  • Com as maos na graxa. Lupe Bao. 2ªFeira 16. De 19h a 20h30.
  • A luz nom vai! Paulo Painceiras. 5ªFeira 19. De 18h30 a 20h.
  • Comprendendo o meu WC mais o meu vertedeiro? Guilherme Brea. 6ªFeira 20. De 19h a 20h.

 

CALENDÁRIO + DESCRIÇOM DE CADA CURSO.

SEGUNDA FEIRA 16 DE JULHO

  • As mulheres galegas na História e na Wikipédia. Jesús Rivera. De 17h a 18h30.

Neste curso aprenderemos os recursos básicos para criar e editar artigos na Wikipédia e convertermos-nos em wikipedistas. Ademais aproveitaremos para adicionar novos artigos de mulheres retaliadas polo fascismo na Galiza. Obradoiro teórico-prático. Recomendado trazer o teu computador.

  • Dançar o bom trato, enraizar a nossa auto-estima. Mari Fidalgo. De 18h a 20h.

Através do trabalho corporal proporcionaram-se vivências nutrícias que ajudem a re-escrever o nosso argumento de vida desde o bom trato e a autonomia, rachando com os mandatos patriarcais de opressom, desvalorizaçom e abnegaçom.

OBS: obradoiro só para mulheres ou pessoas com identidades nom binárias.

  • Regueifa feminista. Regueifar hoje. Sara Porrit e Alba María. De 18h30 a 20h.

A regueifa é um género da improvisaçom oral própria da zona de Bergantinhos que consiste numha confrontaçom entre duas ou mais pessoas que se lançam coplas satíricas. Durante anos o humor fácil, sexual e carregado de machismo e homofobia, tem sido a tónica geral nos espectáculos de regueifa, um género que quase desapareceu dos cenários. Desde há algúns anos existe um movimento para a recuperaçom da regueifa, que ademais de promover o retorno deste tipo de improvisaçom a vida cultural pretende de renovar a sua linguagem e as suas formas, porque a regueifa será feminista ou nom será.

  • Com as maos na graxa. Lupe Bao. De 19h a 20h30.

Abriremos o capó do carro e comprovaremos se o misticismo com que nos falam nas oficinas é tal. Veremos as funçons dos elementos à vista e a relaçom que há entre eles, os motivos do seu uso e a sua posiçom.

  • DecoLixo. Luzia Jurjo. De 20h a 21h.

Isto vai para o lixo?…noooom!!!… Diógenes era um eco-decorador em potencia. Neste curso veremos como fazer peças de decoraçom únicas e por mui poucos euros.

  • Aula de Antropologia Aplicada. Experiências de intervenção social com a comunidade migrante de Cabo Verde na Marinha. Luzia Oca. De 20h a 21h30.

Serão mostradas e analisadas diferentes experiências de intervenção social desenvolvidas desde 1998, dando ênfase ao enfoque feminista e do empoderamento, e à utilização das práticas culturais como ferramentas para a integração de comunidades migrantes. Este tipo de intervenções será contrastada com as práticas institucionais, assistencialistas e assimiladoras, que dificultam a acção sócio-política das comunidades migrantes, disfarçadas baixo o mito da “integração perfeita” da comunidade cabo-verdiana de Burela.

  • A muinheira trilha bem. Carme Iglesias. De 20h a 21h30.

Achegamo-nos à muinheira desde o jeito montanhês do concelho tordoiês. Pés a arrastro. Adiantes indo cara atrás. Atrases indo cara adiante. Punteados nun equilibrio case circense. Para quem já baila bem e quer bailar melhor.

  • México lindo e saborido! Cozinhar tacos para torpes. Snob. De 20h30 a 22h.

Vamos aprender a preparar tacos caseiros ao estilo mexicano com técnicas a prova de torpes e ingredientes doados de topar aqui. Além da carne, faremos as “tortillas” e o molho.

 

TERÇA FEIRA 17 DE JULHO

  • Nutriçom vegana para principiantes. (Curso teórico). Sabela Pena. De 17h a 18h.

U-la proteína? E o cálcio? Falaremos dos principais grupos de alimentos e aprenderemos a construir pratos completos, saudáveis e saborosos para o dia a dia.

  • Primeiros auxílios na foliada. Ainhoa Martínez. De 17h a 18h.

Nesta aula poderemos aprender como atuar ante situaçons que nos podem acontecer principalmente no âmbito da foliada e festas em geral, desde vendagem de nocelos ate RCP.

  • Rumba moderna para pandeireta. Aitana Cuétara. De 18h a 19h30.

Neste obradoiro para pandereteir@s que já saibam um pouco, aprenderemos toques de rumba dirigidos ao acompanhamento doutros instrumentos (gaita, etc.).

  • Apozemas biológicas para a horta. Marieta Pastoriza. De 18h a 19h30.

Neste faladoiro sobre saberes da horta aprenderemos a diferenciar os sintomas entre umha praga​ e umha enfermidade nos cultivos mais comuns; Receitas de apózemas naturais singelas, a partir de plantas e produtos biológicos para combater enfermidades e pragas nas hortas. Estudaremos quais som as melhores asociaçons de cultivos e também alguns insectos controladores biológicos de algumhas pragas comuns.

  • Cozinha com Língua “portuguesa”. Bea Peres. De 19h30 a 21h.

Como falar de gastronomia portuguesa sem falar de bacalhau? Um peixe que fai parte da sua culinária desde o século XIV e que as nossas vizinhas sabem cozinhar de mais de 1.000 maneiras diferentes! O Bacalhau à Brás é um dos pratos mais populares de Portugal mas também um dos mais fáceis de elaborar. É por isso que o utilizaremos como pretexto para aprender algumhas palavras curiosas e particularidades do país irmao.

  • Além do mito. Julia Marín. De 19h30 a 21h.

Nesta sessom debuxaremos a imagem geral dos mitos clássicos desde umha perspectiva de género, fazendo umha análise dos seus mecanismos de construçom e funcionamento no seu momento de vigência e também na sua influencia posterior.

  • Para bailar o maneo vivam @s da beiramar. Ramón do Serrador. De 19h30 a 21h.

Neste obradoiro dirigido a pessoas com nível intermédio de baile, aprenderemos o jeito de bailar o maneo na comarca de Berghantinhos.

  • Laboratório de movimento. Elsa Pereira. 3ªFeira 17. De 21h15 a 22h15.

Exploraremos a nossa natureza criativa a travês do corpo em relaçom com as demais e com o espaço. Trata-se dum laboratório entendido como lugar de experimentaçom onde o coidado, o jogo e a escoita nos levaram a atopar a criatividade dos nossos corpos e, por que nom? das nossas vozes.

 

QUARTA FEIRA 18 DE JULHO.

  • Jogos bailados para famílias. Fuen Nieto. De 12h a 13h.

Bailar é mais umha maneira de jogar e também de aprender de jeito ameno e divertido. Neste curso, grandes e crianças achegaram-se a diferentes jogos bailados da nossa tradiçom popular.

  • Arqueologia sobre rodas . Dio Cancela. De 17h a 20h.

Roteiro ciclo-arqueológico polo patrimônio da ribeira do Tambre. Recorrido duns 30km em bicicleta (dificuldade média, apto para todo tipo de bicis) por alguns dos castros das paróquias do norte do concelho (A Peregrina- Flecha). IMPORTANTE: Há que levar capacete. Ponto de partida: C.S. O Pichel.

  • Bombo: noçons básicas para acompanhar música tradicional. Ana G. Lenza. De 17h45 a 19h15.

Todo o que precisas saber para pegar no bombo e safar dignamente numha foliada. Se tes bombo, pandeiro ou similar podes trazê-lo.

  • Cozinha com Língua “inglesa”. Afonso Barata. De 18h a 19h30.

Tea and Scones. Os scones som uns bolinhos de origem escocesa muito populares nalguns países de fala inglesa. Acompanhados de manteiga, marmelada e umha chávena de bom chá fam a merendola ideal.

  • Entra no baile a bailar(e). Iniciaçom às foliadas. Chus Caramés. De 19h30 a 20h30.

Aprende a decifrar e mover-te ao compasso dessa gente que baila quando soam as gaitas e as pandeiretas.

  • Cozinha com Língua “francesa”. Maritxinha. De 20h a 21h.

As crepes som um prato tradicional de origem bretoa desde a Baixa Idade Méia assimilado dentro da cozinha denominada “francesa”. Neste curso aprenderemos a fazê-las junto com algumhas pitadinhas de condimento em francês.

  • Tarranholas- Músicas de Bolso com instrumentos miúdos. Ariel Ninas. De 20h30 a 21h30.

Tarranholas, trancanholas, tarrenhas, trécolas, castanholas de osso, paus, tejoletas, bones, khartal, etc… som muitos os nomes para um dos instrumentos idiofones mais básicos e primitivos mas para os quais é preciso uma técnica muito evoluída e singular. Esta oficina é uma introduçom para aprender os toques básicos de diferentes ritmos das músicas populares ibéricas. Os conteúdos incluiram breves notas históricas, movimentos básicos de braço e pulso, notaçom musical, prática em ritmos de música popular. Haverá pares de tarranholas à disposiçom mas recomenda-se levar um par próprio.

 

QUINTA FEIRA 19 DE JULHO

  • Aula de Ioga enfocada na pélvis. Alberto Ferreiro. De 16h30 a 18h.

Aula de ioga para pessoas de todos os níveis onde faremos posturas com soportes.

  • Três massagens doadas. Richi Casás. De 18h a 20h.

Richi Casás, diplomado em Fisioterapia pola UDC, compartirá com as pessoas assistentes três massagens mui singelas que qualquer pode fazer em casa, no trabalho, na praia… Massagem relaxante, massagem descontracturante e massagem express. Recomendamos trazer duas toalhas e roupa cómoda (melhor fato de banho), unhas curtinhas, chanclas e um par de peúgas.

  • Gaélico práctico para visitantes da Galiza. Lucía Atencia. 5ªFeira 19. De 18h30 a 19h30.

Aprenderemos frases úteis para interacionar com as falantes desta língua minorizada, valorizando a sua cultura. Faremo-lo através da música e da festa, falando sobre como funcionam em Irlanda as “foliadas” e aprendendo umha cançom.

  • Umhas pequenas dicas para fazer assembleias inclusivas. Raquel L. Fernández. De 19h a 21h.

Neste obradoiro ofreceram-se algumhas ferramentas próprias da facilitaçom de grupos para o desenvolvimento de assembleias participativas e inclusivas como estabelecer acordos, realizar ordens do dia, escoitar todas as vozes ou processos de consenso.

  • A luz nom vai! Paulo Painceiras. De 18h30 a 20h.

Das-lhe ao interruptor, e a luz nom se acende. Que fago? Por onde começo? Pequenos arreglos para nom telefonar à electricista antes de tempo.

  • Compostela Femme. Destapando a cidade jacobeia em clave de gênero. Desirée Vidal. De 20h a 21h30.

Compostela Femme é um itinerário caminhado e interpretado em clave de gênero pola história material de Santiago. Através de lecturas, documentos e paradas em pontos quentes da cidade, irá-se artelhando umha nova lectura e visom crítica do corpo político que é umha cidade e de nos mesmas, a sua vizinhança. O Compostela Femme pertence ao Antitour, um programa de itinerários culturais e artísticos caminhados.

*Ponto de encontro: Praça de Fonseca (no centro, onde a fonte). Em caso de chover, no Paço de Fonseca. Ponto de feche: terraço da Gentalha.

  • Limpando tóxicos do fogar. Vero Torrijos. De 20h a 21h30.

Aprenderás a fazer eco-limpo para limpar solos e superfícies e também o teu próprio detergente para a lavadora. (Traz duas garrafinhas onde levar-te o teu detergente e eco-limpo).

  • “Turismofobia” ou direito à cidade? Iago Lestegás. De 21h a 22h.

Propomos umha conversa sobre vivenda, cidade e capitalismo. Falaremos sobre o avanço do monocultivo turístico nas cidades do Sul de Europa (Compostela, Porto, Lisboa, Barcelona…) e o seu impacto no acesso à vivenda em tempos de crise.

 

SEXTA FEIRA 20 DE JULHO.

  • Comprendendo o meu WC mais o meu vertedeiro? Guilherme Brea. De 19h a 20h.

Por onde entra a água? Por onde sai e que há no caminho? Por onde deveria sair ou que fazer se nom sai? Que ferramentas e/ou material precisamos? Neste curso daremos umha olhada aos diferentes elementos que componhem un WC mais um vertedeiro e às avarias mais comuns e como tentar amanha-las.

  • Cuidando de nós com cosméticos naturais. Vero Torrijos. De 20h a 21h30.

Obradoiro em que aprenderemos a fazer bálsamo e creme dental com ingredientes naturais, cuidando de nossos lábios e dentes sem a necessidade de produtos químicos ou testados em animais. (Traz um copo com tampa onde levar-te a creme e outro mais pequeno para o bálsamo).

  • Baile como empoderamento. Sara Idris. De 20h a 21h30.

Redescobrir os movimentos do nosso corpo, dar-lhe a volta, faze-los nossos. O baile é outra arma mais e por isso, mediante este obradoiro, intentaremos, sobre ritmos jamaicanos e com estilos como o dancehall e o tuerk, apropriar-nos do espaço desfrutando da música.
Curso só para mulheres.

O teatro do Pichel apresenta O tempo

2 de Julho de 2018

Esta sexta-feira 6 de julho às 21h00 a companhia Teatro do Pichel estreia a sua nova montagem intitulada O tempo. A peça poderá ver-se no Centro Social da Gentalha do Pichel o sábado 7 e o domingo 8 às 21h00. Reserva de entradas no C. S. O Pichel ou no 636838273. 2 euros sócias, 3 euros nom associadas. Trata-se dumha produçom com texto e direcçom do dramaturgo Zé Paredes que este grupo amador compostelám, ligado ao Centro Social A Gentalha do Pichel.

Nesta, que será já a sexta produçom da companhia, abordarám-se temas como a memória, as relaçons familiares, o passar do tempo e a metáfora da casa e o seu abandono como fundo. Com inspiraçom nas peças do dramaturgo russo Anton Tchekhov, em ‘O tempo’ o Teatro do Pichel propom-nos umha visita por lugares comúns do nosso passado onde qualquer expressom quotidiana readquirirá um significado singular.

cartaz novoO grupo de teatro amador do CS O Pichel foi criado no curso 2012-13, e desde esse curso já encenou peças como Precárias (2013) Idas e Vidas (2014), Ubú no lixo (2015),Agorafobia (2016) eParábola do éxito (2017) resultado de vários meses de aulas formativas.

A Gentalha do Pichel é umha associaçom cultural que desde hai quinze anos vem dinamizando o tecido social e cultural da cidade compostelana oferecendo e reivindicando um lacer alternativo e em galego. Com esta peça fai umha achega a um dos seus objectivos:a difusom, conhecimento e criaçom de novas produçons culturais da Galiza.

Para mais informaçom podedes visitar o nosso blogue gentalha.org ou visitar o facebook do colectivo ou passar polo centro social, segundas, terças e quintas de 18h00 a 23h00, quartas de 18h00 à 21h30, sextas de 19h00 à 01h00 e sábados de 19h00 a 00h00.

Atividades semanais – Do 25 de Junho ao 1 de Julho

26 de Junho de 2018
JUNHO 2018
29
sexta-feira

Palestra “O Golpe no Brasil e a prisom de Lula” com Rui Costa Pimenta

Ás 20.00

unnamed

JUNHO 2018
29
sexta-feira

Ceia solidária organizada por Ceivar

Às 21.30

unnamed2

Atividades semanais – Do 18 ao 24 de Junho

20 de Junho de 2018
JUNHO 2018
21
quinta-feira

Lançamento ‘Atlas das Nações sem Estado na Europa’ em Compostela

Ás 20.30

35496546_1520663121394948_3694897409118175232_n

A Comissom de História da Gentalha do Pichel organiza o lançamento do ‘Atlas das Nações sem Estado na Europa’ de Mikael Bodlore-Penlaez.

O evento terá lugar no local da associaçom na Rua de Santa Clara 21, em 21 de junho (quinta-feira) às 20h30, com a participaçom dos tradutores da obra, Abrahan Bande e Fernando V. Corredoira, e de Valentim Fagim, co-diretor da Através Editora.

JUNHO 2018
23
sábado

Cacharela picheleira

Às 13.00

cacha

Atividades semanais – Do 11 ao 17 de Junho

11 de Junho de 2018
JUNHO 2018
14
quinta-feira

Línguas minorizadas e revitalizaçom lingüística

Ás 18:45

unnamed

Palestra sobre línguas minorizadas e processos de revitalizaçom. Com Bernadette O’Rourke (Irlanda) e Alejandro Dayán-Fernández (Galiza), procedentes da Universidade de Heriot-Watt, Escócia

SMILE (Sustaining Minoritized Languages in Europe) é um programa interdisciplinar de investigaçom que procura examinar iniciativas de revitalizaçom de línguas autóctonas ou minorizadas em Europa.

Desde novembro de 2017 hai seis equipas de investigaçom a trabalhar de forma colaborativa na revitalizaçom de línguas em Europa com o objecto de fazer estudos focados a esses processos de revitalizaçom em cada comunidade lingüística.

Esses estudos levarám a dados mais gerais que poderám ser aplicados a outras línguas.

As comunidades lingüísticas em estudo som o o galego, o greko e griko, o irlandês, a língua frisoa occidental e as línguas sorábias (alto sorábio e baixo sorábio).

JUNHO 2018
14
quinta-feira

Ciclo de cinema LGTB

Às 20.30

lgtb

JUNHO 2018
16
sábado

Concerto pola liberdade de expressom

Às 22.00

unnamewd

atividades do mês de junho

7 de Junho de 2018

junho

comunicado de agradecimento

1 de Junho de 2018

Na madrugada da terça para a quarta o C.S. O Pichel foi assaltado e roubarom umha soma importante de dinheiro, nom apenas da Gentalha mas também de outros projetos sociais e colectivos relacionados com o CS em diferente medida ( a equipa de futebol gaélico da Suévia, os centros sociais de Compostela, grupo de teatro do Pichel…) material a venda, doaçons, recadaçom de atividades desenvolvidas com esforço, tempo e trabalho voluntário e sem ânimo de lucro . Nom foi um roubo a umha propriedade privada mas a projetos que trabalham altruistamente polo colectivo e a cultura de base e supujo deixar a umha situaçom ainda mais precária a todos eles. Apôs comunicar o acontecido colocamos um número de conta para aquelas persoas que mostrarom interesse o disponibilidade económica: ES10 0081 0499 600001411744 .

Nestes dias recebemos tantas amostras de solidariedade e apoio tanto humano como económico que queremos agradecer públicamente todos eles: os oferecimentos de bandas de música para fazer concertos solidários, pessoas individuais para dar obradoiros e cursos de diferente tipo, apoios individuais, de colectivos, sindicatos e um logo etc que estam a significar muito para o conjunto do tecido associativo da Gentalha e dos coletivos afectados. Mais aló de ser um apoio pontual é um modo de valorizar a importancia do trabalho coletivo, um pulo para recuperar o ânimo e sobre todo para continuar a acreditar em que o associacionismo de base é imprescindível e que somos muitas mans e braços arredor de projetos comuns.
Nas próximas semanas pensaremos no modo de gerir colectivamente as iniciativas e propostas que nos achegastes.
Mais umha vez obrigadíssimas.

 

Atividades semanais – Do 28 de Maio ao 3 de Junho

30 de Maio de 2018
MAIO 2018
30
quarta-feira

Projecçom do Cineclube

Ás 21:30

paulo-rocha-mudar-de-vida-e1527342834875

Mudar de vida
(Mudar de vida, Paulo Rocha, Portugal, 1966, 90′, VOSG)
Coa presenza de Ana Estévez Lavandeira, directora da 13ª Mostra Internacional de Cinema Etnográfico do Museo do Pobo Galego.

 

MAIO 2018
31
quinta-feira

Ciclo de cinema LGTB

Às 20.30

lgtb

JUNHO 2018
1
sexta-feira

A um ano do despejo do escárnio, pola okupaçom e em solidariedade coa insumisa

Às 18.00

insu

JUNHO 2018
2
sábado

Concerto Ith apresentando “O mínimo que o contén todo”

Às 22.30

ith

comunicado de apoio e solidariedade com o cso a insumisa

25 de Maio de 2018

Os coletivos abaixo-assinados, integrantes do movimento popular galego e empenhados na construçom de espaços para a cultura contra-hegemónica queremos declarar o seguinte perante o iminente despejo do CSO A Insumisa:

1. A nossa solidariedade incondicional com o CSO A Insumisa, centro social ocupado da Corunha, com o qual trabalhamos em diversas iniciativas conjuntas, mostrando-se sempre como um coletivo comprometido com a construçom de alternativas ao embrutecimento e mercantilizaçom cultural dominantes.

2. O nosso apoio a todas as pessoas que participam deste centro social, e a todo o que ele representa, como verdadeiro motor da cultura de base e popular da cidade

3. A nossa condena à política de perseguiçom policial e mediática contra iniciativas nom controladas pola institucionalidade burguesa, i em concreto ao governo do chamado “cambio” e que agora leva a porra e a pistola por diante em defessa da propriedade privada e instuicionalidade dos espaços autogeridos

4. O nosso compromisso no fortalecimento e na criaçom de espaços que permitam avançar na galeguizaçom e desmercantilizaçom da nossa cultura, em coordenaçom permanente com outras entidades comprometidas com idênticos objetivos nos mais diversos ámbitos: laboral, político, feminista, comunicativo, ambiental, etc.

5. Apelamos ao movimento popular galego à unidade e à autodefesa, construindo novas ferramentas ao serviço dos interesses do nosso povo, combatendo a manipulaçom informativa e a repressom judicial-policial.

Galiza, 24 de maio de 2018

 

Ateneo Libertário A Engranaxe (Lugo) -

Centro Social A Comuna (Corunha) -

Centro Social A Galleira (Ourense) -

Centro Social A Gentalha do Pichel (Compostela) -

Centro Social A Revolta (Vigo) -

Centro Social Fuscalho (Guarda) -

Centro Social Gomes Gaioso (Corunha) -

Centro Social Madia Leva (Lugo) -

Centro Social O Fresco (Ponte Areias) -

Centro Social Autoxestionado do Sar (Compostela) -

Centro Social Ocupado A Insumisa (Corunha) -

Coletivo Terra (Pontedeume) -

Fundaçom Artábria (Ferrol) -

Local Social Faisca (Vigo) -

CSA O Fervedoiro (Ribeira) -

Associaçom Cultural O Quilombo (Pontevedra) -

CSA Cova dos Ratos (Vigo) -

CSOA A Quinta da Carminha (Vigo)

A Casa Colorida (Nigrám)