Exposiçom “Músicas galegas ilustradas”

5 de Fevereiro de 2018

culturaA expo “Músicas Galegas Ilustradas” chega a Compostela!
* Inauguramo-la no 8F com faladoiro sobre a situaçom das mulheres no panorama musical com a música e ilustradora da expo Laura Romero e com as músicas Xiana Lastra Pernas da A banda da Loba e Catu e Yolanda de Soul Maxín

Poderá-se visitar até o 9 de Março e durante este tempo teremos atividades arredor dela:

*No 2 de março, às 18h30, contacontos corganizado com a Semente Compostela de Laura Romero para crianças entre 3 e 7 anos “Sabela quere ser música”. Preço: 3€ x família.

* No 9 de março, a partir das 21h, festa-feche da expo com bingo musical feminista e concertos.

Nesta semana começamos cursos novos!

31 de Janeiro de 2018

Aínda podes inscrever-te em gentalha@gentalha.org
monograficos 2018

• PERCUSOM CRIATIVA
Sábado 10 de Março de 11h a 14h e de 16h a 19h. Preço 20€.

Neste obradoiro investigaremos as possibilidades técnicas de instrumentos de percusom de tradiçons diversas, assi como os ritmos que cada instrumento trai consigo. Pandeireta, cunchas, pandeiros galego e de Peñaparda, agogo de castanha, tambores, e pequenas percusons. Aplicaremos esta energia à criaçom de atmosferas e ritmos, e ao acompanhamento da voz cantada e contada.
Ricardo Marcos Casás estudou música clássica e jazz no conservatório superior de música da Corunha. O seu trabalho fim de carreira de jazz baseou-se nas recolhas que Dorothé Schubart fixo a sua avoa e tia. Atualmente continua a trabalhar para conservar e difundir o legado da sua avoa, Rosa Casás, cantadora e tocadora da Vila da Igreja, Cerceda.
Durante o último ano tem impartido vários cursos de construçom e toque de pandeiro “vegano”, por todo o país. Toca em grupos de diversos estilos, desde o jazz à música cigana, como “Os tres trebóns”, “Dúbida-band” ou o seu projeto “Fuliada na Vila”.

• LABORATÓRIO DE MOVIMENTO.
Quartas-Feiras de Fevereiro, de 19h a 20h. Começo no 7 de Fevereiro. Preço 15€.

Um espaço para a experimentaçom, prática e reflexom do movimento e a voz. Trabalharemos com a dança em interaçom com outras práticas de trabalho corporal. Descobriremos as qualidades de movimento indagando na profundidade de cada umha de nós mas também em relaçom com as demais a través do jogo, da escuita e dos cuidados.
Elsa Pereira 1983 – Elsa Pereira Rodríguez 2018, muitas mudanças e algum baile. Remexo e investigo no movimento, o que nos impulsa a erguer a cabeça, subir os ombreiros, caminhar amodinho ou sair correndo. Formo-me em dança contemporânea e exploro sobre dança Butoh, teatro e clown. Assisto a obradoiros e seminários de diferentes técnicas e experimento com os meus e com os outros movimentos porque compartimos espaços, observamo-nos e somos observadxs.

• FORA DOS MARCOS: ARTE E FEMINISMO.
Sextas feiras de Fevereiro e Março, de 16h30 a 18h30. Começo no 2 de Fevereiro. Preço total 30€.

Neste curso faremos umha revisom com perspectiva feminista dos mecanismos de construçom do imaginário colectivo a través da arte. Repassaremos os mitos e os diversos personagens que contribuiram a desenhar os referentes para as identidades do presente e trataremos de comprender como foram interpretados e utilizados ao longo da história.
Julia Marín Ramírez: formada em Belas Artes, Restauraçom e Arqueologia. Actualmente cursando estudos de doutoramento en arqueologia experimental enquanto desenvolve os seus projetos en artesania.
Sabela Fraga Costa: formada em Publicidade, Historia da Arte e Filosofia. Aposta por outras formas de aprendizagem que incluam outros valores e referentes à hora de comunicar e representar.

• FRANCÊS BÁSICO PARA VIAJAR.
Quintas feiras de Fevereiro e Março (com possibilidade de ampliar), de 19h30 a 20h30. Começo no 1 de Fevereiro. Preço total: 30€.

Curso de iniciaçom ao francês com conceptos básicos para comunicar-se em língua francesa. O curso adaptará-se à evoluçom e interesses do grupo sem perder o objetivo prático de poder manter umha conversa direta e singela.

• FRANCÊS A TRAVÉS DA MÚSICA.
Quintas feiras de Fevereiro e Março (com possibilidade de ampliar), de 20h30 a 21h30. Começo no 1 de Fevereiro. Preço total: 30€

Curso intermédio no que se pretende conversar e percorrer a língua a través das cançons e da música do mundo francófono. Os interesses e gostos musicais seram escuitados e bem-vindos ao grupo.

Ambos cursos viram da mam de Maritxinha, minhense afincada em Compostela que estivo a viver durante anos em Bruxelas, e que compagina as aulas de francês com a música em diferentes grupos como baixista.

• UMHA MALETA DE BAILES. Dança tradicional para nível intermédio.
Sábado 17 de Fevereiro de 10h a 14h. Preço 20€.

Neste monográfico faremos umha viagem imaginária pola geografia galega, levando por companheira umha maleta cheia de bailes, músicas e histórias. Em cada parada novos pontos, coreografias, melodias, jeitos, pessoas…
Luís Prego leva muito tempo a ensinar baile tradicional por diferentes pontos do País, mas leva ainda mais tempo a aprendê-lo das velhas e velhos às que visitou para que lhe ensinaram pontos e jeitos do nosso baile. Com toda esta sabedoria, Luís escreveu “Para cantar e bailar” e “Xogos Musicais”, dirigiu grupos de baile como o compostelano “Brincadeira”, toca no grupo folque “Ardentía” ou gestiona o facebook Baile e música de Galiza

Atividades semanais – 29 de Janeiro a 4 de Fevereiro

30 de Janeiro de 2018
JANEIRO 2018
31
quarta-feira

Projecçom do Cineclube

Ás 21:30

trestrtr

Tres tristes tigres
(Tres tristes tigres, Raúl Ruíz, Chile, 1967, 98′, VOSI)

FEVEREIRO 2018
2
sexta-feira

I Tresfoliando

Ás 21:30

 

tresfoliando O Tresfoliando é a foliada dos cursos da Gentalha do Pichel, Itaca, Viva Antes e Conxo, onde fomentamos a diversom como objetivo principal do baile e da música tradicinal, a igualdade entre bailadoras e bailadores; onde em confiança e desde o bom trato amosamos que o baile e a música som património cultural vivo.

 

 

FEVEREIRO 2018
3
sábado

Jornada de entruido da Semente

Ás 11:00

entrseme

A Semente Compostela está a organizar umha jornada de Entruido para o 3 de fevereiro com a intençom de recuperarmos o Entruido tradicional na nossa cidade.

O programa será o seguinte:

SÁBADO 3 DE FEVEREIRO

11HS. MERENDINHA COM CHOCOLATE E BOLACHAS DE CASTANHA NA GENTALHA DO PICHEL.

12HS. BAIXADA DAS GENERALAS, CHOQUEIRA E FOLIOM DA GENTALHA DO PICHEL ATÉ A PRAÇA DO PAM (CERVANTES).

12.30HS APROX. CHEGADA A PRAÇA DO PAM. VIVAS E ATRANQUE DAS GENERALAS DA SEMENTE.

14HS ANDROLHADA E SOBREMESA COM BRINDES E BOMBAS IMPROVISADAS.

 

FEVEREIRO 2018
3
sábado

Blues do país ao vivo

Ás 22:30

cartaz1

Blues do País ao vivo

28 de Janeiro de 2018

cartaz1

KNeves no autoblues Chicago-Fornelos

22 de Janeiro de 2018

kneves

Comunicado sobre o tratamento sexista de ELG dum evento da Gentalha

17 de Janeiro de 2018

Da  Gentalha queremos fazer constar a nossa repulsa ao tratamento machista que o jornal El Correo Gallego fijo na nova sobre o concerto de apresentaçom no nosso CS do disco de Malraio. Expressons como “para no perder ni por un polvo con Kate Moss” “quienes coño vienen siendo?” ou a enumeraçom dos integrantes da banda como “miembros viriles” som mais umha mostra dumha linguagem sexista, com toda a carga machista que supom e que da Gentalha rejeitamos.
Somos um colectivo que temos empenho em luitar precisamente contra as formas de expressom discriminatórias (neste caso com as mulheres) e nom queremos que se nos associe com esta publicidade do evento da sexta feira 19 no nosso local social.

Por tanto queremos transmitir a nossa disconformidade e deixar esclarecido que rejeitamos frontalmente este modo de publicitaçom do nosso evento.

anuncio machista dum concerto

O medo é livre. Contos para adultas de Ángeles Goás

16 de Janeiro de 2018

medoA vida fala-nos e conta-nos muito mais do que pensamos. Os contos recolhidos nesta sessom som histórias de vida que nos falam dos medos que convivem com nós no dia a dia, que nos movem ou nos paralisam. Aínda assim eles nom tenhem a última palavra, porque o medo é livre, sim…, pero nós podemos decidir que grau de liberdade queremos dar-lhe

Ángeles Goás (Abadim): “Gosto, sobretodo, de contar do que me contam, do que escuito, do que calei de nena… algumhas som histórias tinguidas de realidade, outras com a tinta caprichosa da memória ou tecidas com fantasia…”.

Concerto de Malraio

16 de Janeiro de 2018

malraio

Roteiro contra a mina em Touro-O Pino

12 de Janeiro de 2018

Da Gentalha somamo-nos a convocatória promovida pola plataforma contra a mina de Touro- O Pino. a mina é mais umha tentativa que visa esbanjar o património natural para a exploraçom de recursos. O roteiro quer visibilizar a oposiçom da vizinhança a este projeto, durante o percurso persoas da plataforma faram um roteiro explicativo in situ dalgumhas zonas que se veriam afetadas se a mina for adiante.
Da Gentalha somamo-nos a atividade e sairiamos às 11:00 horas do C.S. O Pichel para dirigirmo-nos a saída desde a igreja de Loxo.
O percurso é de 4 kilómetros aproximadamente mas para prever os carros necessários é preciso apontar-se no mail meionatural.gentalha@gmail.com até a quinta feira 18 de janeiro.
roteiro mina nom touro-page-001

ECLOSOM, II Certame das músicas emergentes do Pichel

9 de Janeiro de 2018

eclosom2018

Chega umha nova ediçom do Eclosom, o certame das músicas emergentes que organizamos na Gentalha do Pichel. O Eclosom nascia o passado ano como um concurso de bandas com o objetivo de promover a apariçom de novas formaçons musicais na nossa língua e como umha oportunidade de visibilizaçom das mulheres num eido tam masculinizado como é o da música. Nessa teima continuamos e decidimos pór em andamento esta nova ediçom com a vontade de consolidar o certame e contra-arrestar um dos problemas mais importantes na música galega actual ao nosso ver.

Temos destacado a boa saúde da que aparentemente goza o panorama musical galego, som centos de festivais os que se organizam cada ano por todo o País, muitos deles -a maioria- sacados avante por associaçons como a nossa, dando vida e impulsando umha das manifestaçons culturais atuais mais relevantes em Galiza. Também som muitos e diversos os grupos, ainda que sejam quase sempre os mesmos os que centram os focos, que subem aos palcos ao longo do ano, que ponhem música às nossas noites de festa. A música galega contemporánea, apesar de vir a menos nos últimos anos, resiste com dignidade o embate da aculturaçom da globalizaçom, sem quase ajuda e esquecida por uns meios de comunicaçom galegos que relegam ou recurtam -também neste eido- das suas grelhas de programaçom os espaços dedicados a música galega atual.

Aliás, soma-se outro problema consubstancial à sociedade em que vivemos e que tem o seu correlato na cena musical -evidentemente nom só galega-: a escaseza de bandas de mulheres e mesmo a insignificante ou nula presença feminina nos cenários da Galiza, desempenhando nesses casos papeis secundários ou roles mais ou menos pré-estabelecidos: a mulher vocalista, as mulheres que fam os coros ou a mulher pandeireiteira no caso da música tradicional. Precisamos descubrir e desfrutar da produçom de mulheres percusionistas, baixistas e também gaiteiras. Sabemos que estám aí; que se contam a centas as artistas cujo talento está a passar inadvertido supondo nom só umha evidente perda de riqueza cultural mas também de inspiraçom para as moças que ainda hoje podem perceber a cena musical como um espaço de homens. Ante este panorama, a auto-gestom semelha o único método para criarmos os nossos próprios referentes à margem da cultura dominante. O Eclosom surge com a vontade de visibilizar e promocionar as bandas com mulheres e em galego num já de por si difícil mundo da música.

Como novidade, incluimos no prémio deste ano a possibilidade de realizar umha minigira polos centros sociais do País para dar projecçom à banda ganhadora e também para reivindicar e pór em valor a aqueles como espaços programadores e núcleos de difusom da música galega.

O certame:

O sistema elegido para a realizaçom do concurso pretende ser o máis participativo possível.

Apartir da apresentaçom do concurso e da publicaçom das bases do mesmo abrira-se um período de tempo para que as formaçons acheguem o seu trabalho. Acabado este período de tempo seleccionaran-se aquelas formaçons que cumpram os requisitos do concurso e seram apresentadas nas nossas redes sociais. Começará entom um período de votaçom no que as usuárias decidiram que bandas devem ser as que cheguem à final. A final será na Gentalha numa espécie de “gala” na que se bateram as bandas finalistas. Nesta gala haverá também umha votaçom popular para escolher a melhor banda e um júri que dará também o seu veredito.

 

As bases:

I. O certame de bandas emergentes tem o objetivo de promover as novas bandas em galego e com presença feminina.

 

II. Será requerimento necessário para poder participar no concurso:

- cantar em galego

- contar com a presença de mulheres

- nom ter publicado nengum disco e ter polo menos 4 cançons de criaçom própria em galego

- as comunicaçons das bandas nas súas redes sociais tenhem de ser em galego

- nom ter chegado à final na ediçom anterior do certame

- as letras nom podem conter mensagens sexistas, homófobas, xenófobas, racistas ou qualquer outro tipo de discriminaçom.

III. Para inscrever-se os grupos devem mandar à gentalha@gentalha.org um mail com:

- arquivos de áudio de polo menos 2 dos seus temas

- umha pequena biografia do grupo e umha fotografia

- links às redes sociais e vídeos no caso de dispor delas

 

IV. O praço para apresentar-se ao certame acaba o 28 de Fevereiro de 2018 às 23h59.

 

V. As finalistas serám 3 bandas, todas elegidas através do voto popular nas redes sociais da Gentalha.

A banda ganhadora sairá de umha gala final que terá lugar em Abril de 2018 na Gentalha do Pichel e na que cada banda tocará um máximo de meia hora. Será seleccionada por um júri (que daremos a conhecer mais adiante) formado por músicas, pessoas de meios especializados e umha pessoa representante do Pichel, junto à decisom do público presente que também participará na eleiçom com o seu voto.

 

VI. A banda premiada dara-se a conhecer na gala final e o prémio consistirá em 300€, a atuaçom nos concertos da Festa do Dezassete em Compostela e umha minigira polos Centros Sociais galegos.

 

VII. A participaçom no concurso implica a aceitaçom das bases do mesmo.